Como saber se o meu filho precisa de Terapia da Fala?

Por vezes os pais ficam preocupados com a evolução dos seus filhos no que toca à aquisição da linguagem e que implicações terá na aprendizagem. É preciso entender que todas as crianças tem tempos diferentes de aquisição, o que não significa que não seja preciso atuar e colocar a criança em terapia.

A seguir estão expostos 3 mitos associados à necessidade de terapia da fala pelas crianças, para que possa compreender e tomar a decisão acertada no que toca ao seu filho.

Mito 1: O meu filho não fala porque é preguiçoso…

Na verdade, nenhuma criança faz pouco uso da fala por preguiça.

A nossa capacidade de usar a fala para comunicar corresponde a uma forma muito económica pois é aquela que, quando não existe nenhuma patologia, requer menos esforço. Todos temos necessidade de comunicar com os outros, e é precisamente por essa razão que adquirimos linguagem. Se pensarmos no esforço necessário para produzir fala, em nada se compara ao esforço necessário para escrever ou até mesmo para fazer um gesto. Por isso, quando uma criança não fala, esse facto não pode ser justificado com a (tão famosa) preguiça. Nesse caso, deve consultar um terapeuta da fala para perceber por que razão a criança não fala e assim confirmar se efetivamente precisa deste apoio.

Mito 2: A fala só se desenvolve depois dos dois anos…

O desenvolvimento da linguagem inicia-se muito precocemente: ainda dentro do ventre materno.

Os movimentos que o bebé faz durante a gestação são respostas aos estímulos sonoros externos e são muito importantes para que a comunicação entre mãe e o bebé se processe de forma adequada desde esse período. Apesar de as primeiras palavras surgirem apenas por volta do primeiro ano e as primeiras frases entre os 18 meses e os dois anos, antes destes marcos existem muitos sinais que indicam que a criança efetivamente está a adquirir competências linguísticas. Um terapeuta da fala saberá avaliar estes sinais e assim perceber se existe, nesta idade tão precoce, necessidade de terapia da fala, por algum problema de desenvolvimento.

Mito 3: Aos 3 anos ainda é cedo para procurar um terapeuta da fala…

Por volta dos 3 anos, as crianças têm já um sistema linguístico bastante sofisticado, com produção de diversos sons da fala, diferentes (e complexas) estruturas frásicas e um vocabulário diversificado.

Tendo em conta as capacidades linguísticas das crianças nesta idade, não será cedo procurar um terapeuta da fala caso exista algum problema. Quanto mais precoce for a intervenção, menores são os riscos de agravamento, e mais fácil será reverter as dificuldades.

Conheça os marcos de desenvolvimento para cada idade:

1 mês

  • Assusta-se com barulho

  • Acalma-se com a voz da mãe

3 meses

  • Volta-se para fonte sonora

  • Revela alguma resposta aos sons

  • Estabelece contacto ocular

4 meses

  • Apresenta atenção seletiva para a face

  • Início do balbucio

6 meses

  • Vira a cabeça para o lado em que ouviu um som, chegando a interromper a atividade para ouvir um som

  • Balbucio encadeado, tentando igualar o que ouve

12 meses

  • Emergência da primeira palavra

  • Mistura palavras e jargon (palavras “inventadas”)

18 meses

  • Primeiras produções compostas por enunciados de uma ou duas palavras

2 anos

  • Começam a emergir as primeiras frases

  • Começam a perguntar para obter nova informação

3 anos

  • Cumpre ordens relacionando 2 objetos e diferentes conceitos

  • Começa a emergir frases mais complexas

4 anos

  • A linguagem é usada para raciocinar e negociar

  • Compreende a linguagem adulta relacionada com o contexto imediato

  • Quase todos os fonemas são produzidos corretamente

5-6 anos

  • Troca informação e formula questões

  • Relata uma história de forma pormenorizada

6-7 anos

  • Faz descrições complexas

  • Permanece numa conversação

Apesar de se esperarem estes comportamentos em cada idade, deve sempre ser considerado o fator individual, não havendo melhor aplicabilidade para o lugar comum “cada criança é uma criança”. Por isso, estes são apenas indicadores.

No entanto, perante uma grande diferença entre o esperado e o real deve sempre ser consultado um terapeuta da fala. Apenas um profissional poderá avaliar com exatidão e indicar se o seu filho precisa de terapia da fala.

Não hesite em procurar ajuda. A intervenção precoce pode fazer toda a diferença.

“Every child has a different learning style and pace. Each child is unique, not only capable of learning but also capable of succeeding.”
Robert John Meehan

2019-05-27T10:28:50+00:00
CERsolidário